Ando lendo e estudando um bom tanto sobre jeito como a mente funciona no que diz respeito a aprendizado e atenção.

Li hoje um texto particularmente interessante:

Clique aqui para ler

O título dele é meio sensacionalista (acho justo, se é pra chamar mais atenção para informações importantes — funcionou comigo) e não toca na informação que considero mais importante do texto: que a nossa habilidade de focar em algo não é uma atividade só, mas sim composta por dois processos.

Temos, sim, o processo de selecionar algo para prestar atenção. O texto chama isso de "enhancement", o que diz respeito ao ato de olhar para algo e decidir prestar atenção naquele objeto, pessoa, tarefa, etc.

Porém, temos também o que o texto chama de "suppression", um segundo processo que consiste em ignorar informações e estímulos não relacionados ao que queremos prestar atenção.

Pode parecer que são dois aspectos de um mesmo processo — prestar atenção em algo e não prestar atenção em outras coisas —, mas aparentemente são dois processos completamente independentes em nossa mente.

Um para focar em algo, outro para evitar de focar em outras coisas.

(Vale mencionar neste ponto que tudo que esse texto fala é baseado em pesquisas conduzidas pelo neurocientista Dr. Adam Gazzaley e pelo psicólogo Dr. Larry Rosen e publicadas no livro The Distracted Mind: Ancient Brains in a High-Tech World.)

A parte interessante é que, considerando que tentar ignorar estímulos não relacionados é algo que a sua mente está fazendo ao mesmo tempo em que tenta focar naquilo que você precisa focar, fica fácil perceber que provavelmente seria uma boa ideia facilitar o trabalho dela, não é? Por exemplo: os pesquisadores concluíram que o simples fato de trabalhar ou estudar em uma mesa organizada e com o mínimo de objetos já alivia a sua mente de ter que se esforçar tanta na atividade de "suppressing", fazendo com que ela tenha mais facilidade para se dedicar ao foco.

Da mesma forma, trabalhar em ambientes com muitos estímulos visuais e sonoros, como cafés ou escritórios amplos sem divisórias, pode ser parte importante da nossa dificuldade em focar no que precisamos.

Isso vale para o digital também: com base nessas informações, conclui-se que o melhor seria limitar o número de abas abertas visíveis no navegador a uma só, esconder automaticamente o Dock do Mac ou a Barra de Tarefas do Windows, e possivelmente até mesmo não ouvir música. (A menos que a música te ajude a diminuir a quantidade geral de estímulos sonoros. O melhor seria o silêncio, mas a música pode ser bem "menos pior" do que gente falando alto ao seu redor.)

Enfim, coisas bem interessantes. Caso você tenha se interessado, segue novamente o link para o texto de onde tirei essas informações.

Estou curioso para ler o livro mencionado (aparentemente ainda sem versão em português) e aprender mais sobre isso.