Este texto não tem absolutamente nada a ver com videogames, mas quero começar com uma metáfora que se utiliza dessas imagens:

Na primeira imagem, temos o personagem num lugar inóspito e escuro. É difícil navegar, são grandes as chances de um inimigo apareça de surpresa e não te dê chance de lidar adequadamente com ele. Um resultado negativo (que no jogo chamaríamos de "morte") é a maior probabilidade.

Na segunda, o personagem está no mesmo lugar, porém mais confortável e seguro. É mais fácil ver o ambiente ao redor e tomar boas decisões a respeito de para onde ir, o que fazer, como lidar com qualquer obstáculo que apareça. Um resultado positivo (que no jogo chamaríamos de "passar da fase") é a maior probabilidade.

No jogo, a única diferença entre a primeira imagem e a segunda é a presença de itens, lanternas, tochas ou magias de luz, que aumentam o raio de visão do personagem. Colecionar ou ativar o máximo possível dessas lanternas é como se faz progresso em áreas escuras de jogos.

E na vida, por que muitas vezes a gente anda no escuro sem se concentrar em ampliar nossas visões?

Amplie a sua visão

Talvez eu só esteja usando muito o Twitter, mas vejo tanta gente por aí em condições desafiadoras de vida e que não está pegando uma lanterna para aumentar o seu raio de visão nesse mundo tão complexo.

Algumas lanternas (terapia e cursos, por exemplo) são de difícil acesso para quem não tem em abundância alguns recursos como tempo e dinheiro, mas há muitas lanternas absolutamente acessíveis por aí.

As pessoas têm o YouTube inteiro para assistir várias coisas incríveis, mas você vai ver o histórico e só tem coisas como Porta dos Fundos, Whindersson Nunes e compilações de "fail". As pessoas têm a internet inteira, mas gastam muito mais tempo com Netflix e Facebook do que com qualquer coisa que as ilumine. As pessoas têm os celulares inteiros em suas mãos, a ferramenta mais incrível que a raça humana já conseguiu inventar, com dezenas de milhares de apps, alguns deles incrivelmente úteis e estimulantes, mas quais estão na primeira tela? Twitter, Instagram, iFood, WhatsApp. As pessoas reclamam que livros são caros, mas não sabem onde fica a biblioteca mais próxima ou vão atrás de aprender a procurar e baixar um PDF pirata que seja. (Eu sou contra pirataria, mas sou mais ainda contra dar a desculpa de que livro é caro para não ler nada.)

Várias lanternas de fácil acesso por aí, e tanta gente cambaleando no escuro.

Cada vez mais é absolutamente necessário lutar contra o obscurantismo e a letargia que vêm dominando o consciente do mundo. Existe luz! Dá pra fazer alguma coisa! Mas a gente não vai sair de onde está sem um esforço para ampliar a nossa visão do que o mundo é e não é, do que a mente é capaz ou não é capaz, de como lidar com a gente mesmo e com todo o resto.

Algumas pessoas têm, sim, mais possibilidades para as suas vidas do que outras pessoas — mas todo mundo tem algumas possibilidades dentro das suas próprias condições. Tomar responsabilidade por mapear todas essas possibilidades e trabalhar para concretizar ao menos algumas delas é papel individual de cada um.

E, de novo: as lanternas estão por aí. De graça. É só pegar.

É só gastar um pouco de tempo e energia nelas (e dinheiro, se puder), em vez de gastar esses recursos finitos nas mesmas coisas que a gente faz todos os dias e que não ajudam a iluminar o caminho e evitar os obstáculos.


Eu poderia terminar esse post aqui em cima mesmo, mas pra não dizerem que eu não coloco meus pingos nos meus is, vou me estender dando alguns dos poucos exemplos que eu posso dar a respeito de boas lanternas que existem por aí.

Antes de tudo

Sei que é foda falar isso, mas não deixa de ser verdade: aprenda inglês. É importantíssimo aprender um pouco, que seja. Você não precisa conseguir conversar com um britânico por telefone, mas seria ótimo que você soubesse o suficiente para conseguir entender, ainda que parcialmente, um vídeo falado em inglês com legendas em inglês. Treine com os TED Talks. Putz, treine nem que seja com Friends ou The Office no Netflix, mas treine.

Há lanternas gratuitas para iluminar esse caminho também, desde Duolingo até algum amigo que sabe inglês e se proponha a ensinar. Não que não existam lanternas em português, mas saber inglês vai te dar acesso a dez, cinquenta, cem, cem mil lanternas extras.

YouTube

A dieta de YouTube de cada um é muito pessoal. O que funciona e é interessante para mim pode não te trazer benefício algum para outra  pessoa. Mas tudo bem. O importante é começar o movimento de procurar por coisas melhores, sejam elas quais forem. Dito isso, seguem alguns canais que eu considero interessantes:

Quando você começar a se deparar com vídeos como este nos seus recomendados, é porque está começando a funcionar. (PS.: Não concordo mais com a conclusão do vídeo como concordei da primeira vez que assisti.)

Podcasts

Confesso que não sou o maior ouvinte de podcasts do mundo. Ouço até que pouco, pois tenho dificuldade em colocá-los na minha rotina de um jeito que faça sentido. Porém, algumas das coisas mais interessantes que já ouvi na vida foram em podcasts. É um formato realmente mágico, que nos permite ter aquelas conversas profundas com pessoas interessantes que não conseguimos encontrar no dia-a-dia.

Um minuto de sabedoria

Apps

Todo e qualquer app que não é uma rede social já ganha pontos simplesmente porque, ao estar usando ele, você não estará usando uma rede social. Para além disso, alguns apps são um uso do tempo particularmente melhor do que outros.

Livros

Livros existem literalmente bilhões por aí, e saber identificar quais valem o tempo que você vai precisar investir neles é uma arte. Em vez de recomendar livros específicos, vou dar só esta dica: pense em alguém que você conhece, alguém que tenha qualidades que você gostaria de desenvolver em você mesmo. Pergunte a essa pessoa o que ela está lendo, ou quais livros ela considera particularmente bons. Foque principalmente nos livros de não-ficção que sejam inspiradores e expliquem ideias que você considere interessantes. Feito isso, procure o livro e leia.

Opções não faltam. Você pode comprar o livro, se tiver a grana. Ou pode procurar em alguma biblioteca. Ou pode pedir emprestado. Ou pode comprar usado em algum sebo. Se não quiser a inconveniência do livro físico, pode comprar o ebook no Kindle ou no Apple Books. Em último caso, como falei lá pra cima, pode procurar um download em PDF “por fora”. Só não pode ficar inventando desculpas pra gastar mais tempo no Facebook do que com a cara enfiada em livros.

Ler é ter acesso direto a pensamentos que nunca ocorreriam naturalmente na sua própria mente. Ler é a maior ação iluminadora que existe. Ninguém que lê está completamente no escuro.

Um dos melhores vídeos que assisti recentemente

Presença real

Outra lanterna altamente eficaz é fazer coisas com pessoas. Mas isso é melhor quando tanto as coisas quanto as pessoas têm um propósito de iluminação. Ir ao bar com os amigos é ótimo (inclusive faça tanto quanto possível), mas participar de um grupo de meditação ou de estudos contemplativos é algo que vai ser mais útil, na maioria das vezes.

Antigamente eu diria para você procurar na internet por grupos desse tipo na sua cidade. Hoje, porém, eu acho mais interessante divulgar o lugar. É um grupo online com membros no Brasil e no mundo no qual as pessoas — todas as pessoas — estão altamente engajadas nessa busca por lanternas que as iluminem e as ajudem a iluminar tudo ao redor para todos os outros seres. Não é um fórum, não é um curso, não é nada disso. São só pessoas promovendo ações positivas em si próprias e no mundo.

O acesso ao grupo é pago, mas: 1. se você realmente quiser participar e não tiver condições, manda mensagem para eles que eles são flexíveis quanto a isso; 2. não custa mais do que a maioria das pessoas gasta por mês em cerveja (e traz muito mais retorno).